Thursday, October 15, 2009

Cafés da manhã com Vicente

Seu Vicente tem insônia, ele dorme vendo jornal Nacional e acorda às 3 da manhã. Perambula pela casa com uns 3 livros e uma revista, lê um pouco de cada até que o sono volte. Lá pelas 6 ele acorda e vai à padaria, onde todos o conhecem pelo nome.

- Oi seu Vicente, Tudo bom com o senhor?

Vicente que acorda bem-humorado todos os dias, devolve o cumprimento com um largo sorriso, que faz qualquer mau-humor matinal parecer vergonhoso e caprichoso.

Chega em casa com o pão quentinho e come um pouco. Logo vai para seu escritório ler ou travar uma batalha com aquele monstro tecnológico chamado computador. Ouve passos na escada. Deve ser um dos seus filhos que acordou. Vicente senta à mesa novamente e põe-se a conversar com Filipe, que lê o jornal. Futebol e política são o assunto da pauta. Filipe sai para o trabalho.

Agora é a vez da filha mais velha, que sempre está apressada e desorientada, comendo em pé. O pai a tranquiliza e diz: calma, senta, toma café comigo.

- Você ainda não tomou?

- Não.

O sorriso desconcertante do pai vale um pequeno atraso no trabalho. A filha senta enquanto o pai na maior calma do mundo corta um pedaço de pão e passa manteiga. Conversam sobre outros temas. Falam em francês, ela conta algo do seu trabalho, mas vê que não pode demorar mais. Dá um beijo e um abraço no Monsieur Vincent e sai correndo.

A última é a Luciana, essa foi esperta, escolheu uma profissão que lhe dá mais tempo. Conversada como o pai, passa um bom tempo com ele falando desde como reduzir o valor da conta de telefone a suas próximas viagens e bolsas de estudo. Ela sai e Vicente acaba de tomar seu quarto café da manhã.

Já são quase 10 da manhã. Depois de cumprir todos os afazeres que ele escreve em uma listinha, Vicente espera os filhos chegarem um por um para mais 3 jantares. Depois diz que não sabe porque não emagrece.

5 comments:

Lo said...

Seu Vicente é fofo!

SchwencK said...

ahhhh um beijo pra ele, com muito carinho! :* não esquece!

Carina said...

Pode deixar!

Adriano Docconi said...

Deu saudade do meu pai, agora. =)

Carina said...

num é? pai é bom demais, né?