Monday, May 31, 2010

Órfã

Estava tão apegada ao livro que começara a ler dois meses antes, que ao chegar ao final, tive que ler os agradecimentos na esperança de prolongar meus últimos momentos com ele.

Fechei a contra capa. Agora olho fixamente para a estante de livros. Dezenas deles me olham de volta esperando a sua vez.

Terminar um livro é morrer um pouco. Não é fácil despedir-se daqueles personagens que passam pelas nossas vidas traduzindo-nos em linhas nunca antes lidas, mas de súbito reconhecidas.

Agora é luto, que passa com outra história para renascer e morrer de novo.

Ps: Obrigada, amigo Tapioca, pelo presente de luto.

7 comments:

farinhademandioca said...

Foi um prazer, querida. Mas lembre-se: para cada livro fechado, há sempre uma folha em branco a ser preenchida com as suas percepções da vida.

marcela dantés said...

terminar um livro é morrer um pouco.

ganhei meu diz com essa frase, gatan.

Carina said...

Verdade verdadeira, Tapioca san.




Mas não, é, Marcela?

bjooos

J. said...

A literatura nos proporciona sensações que nada no mundo é capaz!

Beijo, Carina.

Mariana Gomes Welter said...

Ah... que boa constatação. Toda vez que eu termino um livro de que gostei muito, me dá uma tristeza, uma nostalgia... Você resumiu muito bem esse sentimento!

Lucas Queiroz said...

Também me sinto assim quando acabo de ler algo. No meu caso, as revistinhas da turma da mônica pelo menos têm uma tirinha para alegrar o final da obra literária. hehehe

Carina said...

Lucas Queiroz, compartilho do mesmo sentimento.